Korg M1 – A primeira workstation


Compartilhe!

Korg M1 Além de ser o teclado mais vendido de toda a história, com mais de 250 mil unidades, o Korg M1 foi o sintetizador digital clássico que definiu o arquétipo de toda uma nova categoria de instrumentos musicais: a Workstation

 

Quando os sintetizadores inundaram o mercado nos anos 80, o universo da produção musical efetivamente se tornou uma corrida geral para ver quem podia utilizar primeiro os sons mais avançados para produzir um sucesso. Novas formas de música eram praticamente definidas por seus “novos sons”. O poderoso Korg M1 era, simplesmente, o instrumento ideal para esses tempos, proporcionando um conjunto diversificado de sons e recursos de produção musical que possibilitavam a criação de faixas completas graças a um conceito revolucionário denominado popularmente workstation, ou estação de trabalho. Foi o sintetizador mais vendido de todos os tempos, ao lado do Yamaha DX7, e seus sons lendários ajudaram a  forjar diversos gêneros musicais.

 

Aparência minimalista

Quando foi lançado, no final dos anos 80, o Korg M1 se distinguia bastante de todos os concorrentes por sua aparência extremamente minimalista e um tanto futurista para os padrões da década. Um envoltório todo em negro com bordas arredondadas, painel LCD central, pouquíssimos botões e  um atraente slot de cartões de memória – que eram oferecidos como bibliotecas adicionais de sons – pareciam ter acabado de sair de um filme de ficção científica.

Korg M1 EXMas, com apenas três controles – volume, fader de dados e o típico joystick Korg – era um teclado que estava muito longe de ser intuitivo. No final dos anos 80, se você quisesse constranger qualquer recém-proprietário de um M1, bastava perguntar-lhe “como faz para desligar o efeitos?”.  O cara ficava feito louco apertando vários botões transparentes e tentando navegar por um extenso menu, com infindáveis parâmetros que, na maioria das vezes, quando acionados, alteravam completamente o comportamento dos botões no painel. Eram menus dentro de  menus. Uma verdadeira engenhoca. É obvio que o enorme manual de instruções (em inglês-nerd) tinha que ficar sempre à mão.

 

Minimalista por fora, completo por dentro

Ironicamente, o principal motivo do sucesso desse clássico da Korg é que, internamente, ele era justamente o oposto de sua aparência. Pode-se dizer que a única coisa realmente exclusiva no M1  era o seu conjunto. O modelo foi único em sua combinação de teclado, som realista baseado em amostragem e síntese, bateria eletrônica, sequenciador e multiefeitos digitais em uma unidade compacta, uma poderosa máquina multitimbral capaz de reproduzir até oito partes simultaneamente, que oferecia uma infinidade de efeitos e, surpreendentemente para aqueles  tempos, vinha equipado com um fantástico sequenciador de oito canais bastante sofisticado.

Com memória interna com capacidade de armazenamento de até 10 songs e 100 patterns, era possível programar tocando diretamente no teclado ou por step-sequencer, e oferecia  quantização completa e várias possibilidades de edição.

 

O conceito Workstation

Korg_M1 Backside

Por conta desse conjunto de características, o Korg M1, com o tempo, passou a ser chamado de Workstation, ou “estação de trabalho”, afinal, essas memoria características não cabiam mais na simples ideia de um teclado. Lembre-se que estamos falando da era pré Logic/Cubase e o M1 era praticamente a única opção acessível que oferecia todos esses recursos em uma só caixa. Não era exatamente uma unidade barata, mas era infinitamente mais acessível do que caros e complexos sistemas como Fairlight e Synclavier.

Na parte traseira, o M1 oferecia uma saída 1L-2R estéreo, mais duas saídas mono auxiliares 3 e 4, totalizando quatro outputs. O MIDI também estava presente, com MIDI IN-OUT-THRU. Um pequeno botão ajustava o contraste do painel LCD de controle central. Oferecia ainda duas entradas de pedal de controle e um slot de cartões de memória adicional. A presença do MIDI tornava o M1 ideal para produção em estúdio, daí seu sucesso em dance e house music.

 

 

 

Para ler a matéria completa de Jobert Gaigher, saber tudo sobre o Korg M1 e  ouvir seus timbres icônicos, acesse gratuitamente a edição 45 da revista digital Teclas & Afins!

 

Para acessar, faça login ou se cadastre gratuitamente!

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório